logotipo
35 anos de rock'n'roll

Música do Dia


OZZY OSBOURNE - Let Me Hear You Scresm

Tristeza dupla: morrem bateristas dos grupos C.O.C. e To/Die/For

Reed Mullin e Santtu Lonka morreram nesta semana: causas não foram reveladas.

Black Swan: superprojeto de hard rock reúne músicos consagrados

Novo supergrupo reúne músicos de Whitesnake, Dokken, Foreigner, Mr. Big, Ace Frehley e MSG.

Absu anuncia seu fim após briga com guitarrista que virou trans

Banda texana de black metal usa redes sociais para anunciar oficialmente seu fim.

  • Tristeza dupla: morrem bateristas dos grupos C.O.C. e To/Die/For

    Terça, 28 de janeiro de 2020
  • Black Swan: superprojeto de hard rock reúne músicos consagrados

    Terça, 28 de janeiro de 2020
  • Absu anuncia seu fim após briga com guitarrista que virou trans

    Terça, 28 de janeiro de 2020

Dark Tranquillity: entrevista exclusiva da RB com Niklas Sundin

Por Erick Tedesco

 

Construct, a reivenção do Gothenburg style

 

São 10 álbuns lançados em 20 anos de uma sólida carreira que posiciona o Dark Tranquillity entre os principais nomes do intitulado death metal melódico, ou Gothenburg Style, estilo que a banda sueca praticamente inventou junto aos conterrâneos In Flames e At The Gates. Dos idos dos anos 1990 à segunda década do século 21 muita coisa mudou: as bandas citadas experimentaram e evoluíram dentro do estilo, às vezes com genialidade, às vezes de forma genérica, no entanto, sem nunca estagnar. Entre álbuns pesados e agressivos, como The Gallery (1997) e outros recentes, vide Character (2005) e Fiction (2007), o Dark Tranquillity experimentou com sucesso em Projector (1999), Damage Done (2002) e recentemente com Construct, lançado ano passado pela Century Media. O novo registro traz fôlego novo à sonoridade da banda, com passagens melancólicas e introspectivas, e é o álbum com mais vocais limpos de Mikael Stanne. Saiba mais detalhes sobre o lançamento neste bate-papo exclusivo com o guitarrista Niklas Sundin, que fundou a banda junto ao vocalista.

 

ROCK BRIGADE – As músicas de Construct tem muitas camadas e baseadas em diferentes sonoridades, algumas nunca antes escutadas em qualquer outro registro do Dark Tranquillity. Como  constuiram cada canção, todos da banda contribuíram com ideias?

NIKLAS SUNDIN – Sim, ainda somos uma banda muito democrática e todos integrantes participaram da processo de composição. O atual processo não segue um padrão: às vezes um de nós aparece com a ideia básica para  uma música, e, depois, os demais ajudam com os arranjos; e às vezes uma música é composta a partir de diferentes contribuições desde o primeiro acorde.

 

RB – O direcionamento musical do álbum foi planejado?

NS – Não existe uma fórmula, fazemos do jeito que funciona melhor para as músicas. Para Construct abandonamos os métodos usuais durante as sessões na sala de ensaio, desta vez fizemos todos os arranjos diretamente no estúdio de gravação. O resultado foi, então, um registro mais experimental.

 

RB – Construct pode ser considerado o álbum mais emotivo do Dark Tranquillity?

NS – Não sei, é realmente complicado para um músico analisar seu próprio trabalho e compará-lo aos antecessores. É, geralmente, uma questão de gosto pessoal. Minha percepção é que todos os álbuns do Dark Tranquillity são igualmente emotivos, uma vez que cada um contém diversos sentimentos e existe honestidade em nossa tentativa de transmitir emoções verdadeiras através da música. Alguns álbuns soam mais agressivos e intensos, enquanto outros – como Construct -  são mais introspectivos e calmos.

 

RB – Mikael Stanne gravou Construct com a maior quantidade de vocais limpos da história da banda.  A diversidade de técnicas e interpretações vocais oferece uma nova experiência para ele no ofício de vocalista, além de possibilitar expandir sua criatividade para expressar específicos sentimentos em cada canção?

NS – Sim, acredito que é possível ser um pouco mais criativo para um vocalista se ele incorporar vocalizações 'limpas' nas canções. Nossa regra básica é nunca compor uma música apenas com vocais limpos, ao menos que a composição realmente demande esta característica. E são poucas as músicas em que o vocal gritado não funcionaria. Isso não é novidade, Projector, lançado em 1999, tem o mesmo formato, mas é óbvio que Mikael evoluiu muito desde aquela época.

 

RB – Para celebrar os 20 anos do Dark Tranquillity, em 2013 o debut Skydancer foi relançado com nova masterização. Os vocais, originalmente de Anders Frídén, hoje no In Flames, foram regravados?

NS – Não, a gravação permaneceu intacta. Remasterizamos o álbum porque a produção original não era sólida e sempre pensávamos que Skydancer poderia soar melhor do que aquele material lançado em 1993. Éramos muito jovens e inexperientes, além disso, a maioria dos engenheiros de som daquela época não tinham a menor noção de metal extremo, então claro que Skydancer soa diferente da maioria dos álbuns lançados atualmente.  No entanto, não gosto da ideia de regravar partes ou deixar músicas antigas com o formato do que é o Dark Tranquillity hoje. O álbum é um registro histórico e honestamente não acredito que aquelas canções se tornariam melhores com uma produção menos rebuscada ou moderna.

 

RB – E quanto à projetos. Algum de vocês estão envolvidos com outro trabalho além do Dark Tranquillity?

NS – Não, no momento não estamos com projetos paralelos. Estamos mais do que ocupados com o Dark Tranquillity, então seria complicado encontrar tempo livre para nos envolvermos seriamente com outra coisa.

 

RB – O Dark Tranquillity se apresentará pela segunda vez no Brasil no dia 19 de janeiro, em São Paulo. Quais são as lembranças da primeira turnê por aqui, em 2010?

NS – Temos boas recordações dos shows em Curitba e em São Paulo. A plateia foi devota e passional e é sempre um prazer viajar e conhecer lugares que até então não conhecíamos. Estamos realmente ansiosos pelo próximo show no Brasil.

 

SERVIÇO

Os reis do famoso movimento “Gothenburg Sound” estão de volta! Após diversas bem-sucedidas apresentações pela Europa, o Dark Tranquillity retornar à América Latina evidenciando mais um bom momento em seus 25 inigualáveis anos na estrada.

 

Pioneiros do death metal melódico, Mikael Stanne (vocal), Niklas Sundin (guitarra), Martin Henriksson (guitarra), Anders Jivarp (bateria) e Martin Brändström (teclado) se apresentam, no próximo dia 19 de janeiro, na Clash Club, em São Paulo. Esta será a única data da turnê "World Construct" no país. A banda paulista Genocidio será a responsável pela abertura da noite.

 

Os fãs podem garantir presença antecipada pelo site da Ticket Brasil (www.ticketbrasil.com.br) e pontos autorizados, e na Galeria do Rock (loja Mutilation). Os ingressos de 2° lote custam de R$ 80,00 (pista promocional) à R$ R$ 180,00 (kit tour: camarote superior + camiseta oficial + poster autografado). O meet and greet, para apenas 20 pessoas, será sorteado para quem adquirir os tickets de camarote ou o kit tour. Mais informações no serviço abaixo.

 

Rock Brigade Concerts e Showmaster apresentam Dark Tranquillity – Brazilian Construct 2014

Data: 19 de janeiro de 2014 – domingo

Horário: 18h

Local: Clash Club

End: R. Barra Funda, 969 – próximo ao Metrô Palmeiras–Barra Funda

Censura: 16 anos

Ingressos: Ticket Brasil e pontos autorizados

Pista 2º Lote (meia-entrada): R$ 80,00 + taxa

Pista 2º Lote (promocional): R$ 90,00 + taxa

Camarote (meia-entrada): R$ 140,00 + taxa

Camarote (promocional): R$ 160,00 + taxa

Kit tour: camarote superior + camiseta oficial + pôster autografado: R$ 180,00 + taxa

Imprensa: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. | 11 9 6419.7206

Cartaz: http://bit.ly/1eykI49

 
Busca no site