logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


RAINBOW - Lost In Hollywood

  • Delain e VUUR em Limeira: Holanda em dose dupla

    Terça, 21 de maio de 2019
  • Bonadia Fest reúne 15 bandas em SP

    Domingo, 05 de maio de 2019
  • Coletânea física e digital comemora os 50 anos do ZZ Top

    Sexta, 03 de maio de 2019
Erro
  • JFolder::files: Caminho não é uma pasta:

Belzebong: headliner do Doom Nation Festival 2017 no RJ

 

BELZEBONG

La Esquina, RJ/RJ (30/07/2017)

 

Texto por Luiz Mallet e fotos por Wesley Lima

 

Dia 30 de julho pode ter sido marcado para muitos como o último dia de férias, mas para os habitantes do Rio de Janeiro mais chegados no stoner/doom, será lembrado como a data do show do Belzebong em terras cariocas. Após o adiamento da turnê Sulamericana, o quarteto instrumental polaco encerrava a sua passagem pelo Brasil na antiga capital.

 

Por volta das 19:30, começava o Baphomaster, banda local que executa um som dos mais miseráveis e arrastados. Lento e pesado, o quarteto carioca descarregou uma tonelada riffs e vocias berrados na cabeça dos presentes no La Esquina. Uma grande apresentação da banda, que fica devendo ao público ainda suas gravações em material oficial. Ótima pedida para fãs de Cough, Buzzov-en e do próprio Belzebong.

 

Após um breve intervalo, o Ruínas de Sade sobe no palco para mostrar a que veio. A banda de Santa Catarina acompanhou o Belzebong por toda sua passagem pelo Brasil, que também incluiu Belo Horizonte e São Paulo na rota. Com influências das mais diversas, que lembram alguns extremos do gênero, de Black Sabbath à Electric Wizard, passando por Candlemass, a apresentação deles foi uma celebração ao doom.

 

Depois de duas grandes apresentações, eis que os polacos sobem ao palco para uma apresentação devastadora. A sintonia da banda com o público era grande, e ambos não deixaram a desejar por nem um segundo. O nome da banda é consideravelmente sugestivo, mas durante a apresentação, parece mais "Belzebong" significar o "monstro do riff pesado" do que a mera junção de palavras, pois o que se conhece da banda como gravação ao vivo é potencializado e se torna ainda mais hipnótico e denso, catalizando toda a vibe da banda, público e bandas de abertura em uma única palavra: Doom! Que grande noite para o Doom em terras cariocas! Após um breve intervalo depois do seu set, a banda ainda retornou para um bis, encerrando a última noite de férias de muita gente.

 

 
Busca no site