logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


BLOODBATH - Bloodicide

  • Solid Rock 2018: Judas Priest triunfa com coadjuvantes de peso no Rio de Janeiro

    Terça, 20 de novembro de 2018
  • Rammstein: primeiro de inéditas em dez anos será mixado em dezembro

    Sábado, 17 de novembro de 2018
  • Solid Rock: festival agrada ao público com rock n roll em estilos diferentes

    Sexta, 16 de novembro de 2018
Erro
  • JFolder::files: Caminho não é uma pasta:

Warning: array_multisort() [function.array-multisort]: Argument #1 is expected to be an array or a sort flag in /home/storage/4/e5/3e/rockbrigade2/public_html/plugins/content/ppgallery.php on line 119

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/4/e5/3e/rockbrigade2/public_html/plugins/content/ppgallery.php on line 120

Confira como foi a apresentaçâo do Apocalyptica em São Paulo

APOCALYPTICA

 

Tropical Butantã, São Paulo, 26.11.2017

Texto por Angelo Costa Saggio e fotos por Henrique Pimentel

Diretamente da Finlândia, o grupo cello de metal Apocalyptica foi formado em 1993. Começaram fazendo covers do Metallica e com o decorrer dos anos, foram ganhando notoriedade por seu estilo único de tocar.

Após 5 anos, chegam aqui para sua terceira tour, passando por Curitiba e Porto Alegre também. Essa tour é comemorativa dos 20 anos de lançamento do disco “Plays Metallica By Four Cellos”, de 1996, álbum de estréia deles, que os mostrou ao planeta, além de outras bandas coverizadas como Sepultura, Pantera, Faith No More, entre outras.

Na formação, temos o criador Eicca Toppinen, Paavo Lötjönen, Perttu Kivilaakso e Antero Manninen, sendo quatro cellos e três membros fundadores da banda. No set, temos também a companhia do baterista Mikko Siré.

Além de “Plays Metallica By Four Cellos”, gravaram “Inquisition Symphony”, de 98, “Cult”, em 2000, “Reflections”, de 2003, “Apocalyptica” em 2005, “Worlds Collide” em 2007, “7th Symphony” em 2010 e “SHADOWMAKER” em 2015 que sairá aqui no Brasil esse ano.

O Show

A casa recebeu um ótimo público. Exatamente ás 20h20min, com a galera já ansiosa, soltam o primeiro acorde de Enter Sandman, para os presentes inflamarem e cantar nota por nota. Outra pedrada chega com o hino Master of Puppets, a galera vai a loucura e canta empolgada em uníssono. A segunda parte do som é de emocionar muito, com os acordes bem latentes e a própria banda se inflama, sendo muito ovacionada no final.

A banda se mostra muito empolgada e com sangue nos olhos, param um pouco para conversar com os presentes e anunciam a cacetada Harvester of Sorrow, onde o peso fica bem nítido, parece que são guitarras que estão ali e a galera destrói ecoando o refrão.

Na primeira nota de The Unforgiven, o público faz aquele coro e canta esse hit em uníssono. Logo vem Sad but True que chega com muito peso e melodia.

A paulada Creeping Death chega com sua melodia grudenta, a banda com uma postura de palco perfeita, agitando e tocando de forma vibrante. Na cola, vem acordes nervosos para bater cabeça com Wherever I May Roam e a galera acompanha cantando e nas palmas.

No primeiro toque de Welcome Home (Sanitarium), o quarteto mostra uma sintonia incrível, parece que as cordas estão realmente solando com guitarras de tão perfeito e sincronizado, a galera nem pisca e se mostra muito impressionada.

Uma das melhores melodias de todos os tempos vem com Fade to Black, notas que emanam aquele sentimento forte e fica melhor quando a bateria monstro de Mikko Sirén é acionada para abrilhantar a apresentação.

Na primeira batida das baquetas de For Whom the Bell Tolls, a banda chama a galera pro agito num peso absurdo de endoidar, presentes cantam de ponta a ponta. Na sequência, outra sonzeira emblemática vem com Fight Fire With Fire, aquela quebradeira infernal pra bater cabeça até doer.

O criador Eicca Toppinen apresenta a banda com muito humor e carisma e seguem com a maravilhosa melodia de Orion, tocam com muita vontade e sangue nos olhos. Prosseguem com melodia cantante de Escape, que vem com força, levantando os presentes que acompanham as notas com empolgação.

Battery vem pra botar a casa abaixo, as notas pesadas fazem a galera cantar, as cordas impressionam de tão pesadas que ofuscariam qualquer guitarra, legal também ver a banda batendo a cabeleira.

Eicca Toppinen brinca muito com os presentes pedindo para gritarem bem forte. Em seguida, mandam e cantam o hino Seek & Destroy, de forma vibrante e emocionante. Para levantar ainda mais, a galera mandam Sepultura com Refuse/Resist, banda num gás e energia incrível, essa foi de tirar o fôlego.

Fazem uma pequena pausa e voltam com a balada das baladas Nothing Else Matters e a galera canta em uníssono.

Banda agita muito e diz para galera que tem mais um som, aproveitam para agradecer e anunciam o hino One, para endoidar a galera, que na hora do refrão fica literalmente sem pescoço, ainda mais com o peso absurdo que a banda impõe e assim finalizam sob muitos aplausos ás 22h15min .

A banda mandou muito bem em quase duas horas de show com as releituras de muito primor do Metallica.

Agora só aguardar o retorno, pois a banda prometeu que voltará. Na volta, tomara que possamos ver também as composições próprias, pois boa música é o que não falta aqui com esses finlandeses.

Agradecemos a Rádio & Tv Corsário e a The Ultimate Music Press pelo credenciamento e atenção dados a nossa equipe.

 

Set List

1-Enter Sandman

2-Master of Puppets

3-Harvester of Sorrow

4-The Unforgiven

5-Sad but True

6-Creeping Death

7-Wherever I May Roam

8-Welcome Home (Sanitarium)

9-Fade to Black

10-For Whom the Bell Tolls

11-Fight Fire With Fire

12-Orion

13-Escape

14-Battery

15-Seek & Destroy

16-Refuse/Resist

Bis

17-Nothing Else Matters

18-One

 

 
Próximos Shows
Sem Eventos
Busca no site