logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


KAMELOT - Mindfall Remedy

  • KISS: turnê de despedida de 3 anos passará por todos os continentes

    Quinta, 20 de setembro de 2018
  • Insammer: confira entrevista exclusiva com a banda

    Quarta, 19 de setembro de 2018
  • Converge: entrevista exclusiva com o guitarrista Kurt Ballou

    Segunda, 17 de setembro de 2018

Phil Collins: Not Dead Yet Tour emocionou São Paulo

 

PHIL COLLINS COM ABERTURA DE THE PRETENDERS

Allianz Parque, São Paulo/SP, 24.02.2018

Texto por Fernando R. R. Júnior - Rock On Stage (Especialmente para à amiga Pati Patah e o amigo Toninho Pirani da Rock Brigade) e fotos por Pati Patah

 

Na divulgação da turnê foi utilizado a expressão The Legendary Phil Collins Live, cuja tradução é  O Lendário Phil Collins ao vivo" e o que caracteriza uma pessoa ser considerada como lenda? Bem, no mundo da música, isto é concedido aos grandes gênios e que entraram na históriapela vendagem de álbuns, pelas bandas que passaram em sua carreira e pelos seus feitos em carreira solo, e claro, também pela emoção emanada em suas apresentações.

E um músico que centraliza todas estas características indiscutivelmente é o inglês Phil Collins, pois, no passado ele foi o baterista do Genesis, posteriormente, ocupou o posto de líder e vocalista, além de conciliar isto com uma premiada carreira solo com muitos sucessos que embalaram a vida de muitos dos presentes neste sábado no Allianz Parque, que observando atentamente, posso atestar aqui que não haviam muitos garotos ou com menos de trinta anos. Sim, Phil Collins do alto de seus 67 anos embalou este grande público de mais de 40 mil fãs quando eles eram garotos. E para a abertura desta marcante noite, a abertura ficou para o The Pretenders, que graças a sua mistura de Punk Rock, New Wave, Pop e Rock Alternativo foi a garantia de um grande show, cujos detalhes contarei a seguir.

 

The Pretenders

Pontualmente no palco, a banda de Chrissie Hynde nos vocais e guitarra, Martin Chambers na bateria, James Walbourne e Eric Heywood nas guitarras, Carwyn Ellis nos teclados e Nick Wilkinson no baixo e backing vocals começou o seu show de forma bastante aquecida, dispostos a relembrarem de sucessos que garantiram ao The Pretenders o seu lugar entre as bandas mais queridas dos anos 80 e que fizeram parte das 'baladas' não de Heavy Metal, que curtíamos nesta década. Demonstrando muito carisma, o desfile de clássicos do quinteto comandado por Chrissie Hynde contou neste princípio de show com "Don't Cut Your Hair", "Talk Of The Town" e "Back On The Chain Gang", que fizeram muitos já começaram a dançarem e enviarem suas mentes para distantes anos atrás. Aliás, a vontade de dançar neste show era consideravelmente grande. Simpática e sorridente, a loira Chrissie Hynde na maioria das músicas utilizou uma linda guitarra azul e a quarta música do set, a Private Life flertou com o Reggae, onde tivemos solos mais robustos do guitarrista James Walbourne.

Em Message Of Love, outra das mais antigas ( datando do álbum The Pretenders II de 1980 ) veio certeira como um tiro, assim como a emocionante Hymn To Her, canção que pudemos observar e sentir o potencial da vocalista nesta música mais tranquila. Em seguida, agitam a galera com o Punk Rock com nuances de Country presente em Boots Of Chinese Plastic. O sexteto lembrou também do The Kinks com a versão para a serena Stop Your Sobbing e Chrissie Hynde ia vez ou outra perto do guitarrista James Walbourne para dividir os solos com ele, além de provocar a plateia para cantar com ela os versos. Outra balada que ficou na história também foi a I'll Stand by You, gravada no álbum The Last Of The Independents e esta canção é daquelas que sensibilizamos e cantamos com a banda.

Do mestre Bob Dylan, o The Pretenders nos brindou com a Forever Young, que também figura entre as mais românticas e indicada para os casais apaixonados, que certamente haviam muitos no estádio nesta bela noite de sábado na capital paulista. Outro grande sucesso foi a Night In My Veins, cujo ar nostálgico a levou direto para os nossos corações da mesma forma que a clássica Brass In Pocket. A trinca final do show The Pretenders não poderia ser melhor, pois, contou com a conhecidíssima ( e cantada por todos ) Don't Get Me Wrong, seguida por Mystery Achievement ( com destaque para o baterista Martin Chambers e o baixista Nick Wilkinson com toques firmes em seus instrumentos ) e a elétrica Middle Of The Road ( com prolongamentos maravilhosos e com Chrissie Hynde na gaita ), que por se tratar de um dos maiores hits ficou com a honra de encerrar sua apresentação em pouco mais de uma hora do The Pretenders, que afirmo... deixou saudades e já fica a torcida para um retorno sozinho.

 

Set List do The Pretenders

1 - Don't Cut Your Hair

2 - Talk Of The Town

3 - Back On The Chain Gang

4 - Private Life

5 - Message Of Love

6 - Hymn To Her

7 - Boots Of Chinese Plastic

8 - Stop Your Sobbing (The Kinks cover)

9 - I'll Stand by You

10 - Forever Young (Bob Dylan cover)

11 - Night In My Veins

12 - Brass In Pocket

13 - Don't Get Me Wrong

14 - Mystery Achievement

15 - Middle Of The Road

PRETENDERS2018_IMG_2900_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2906_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2911_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2916_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2926_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2932_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2937_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2953_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2985_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_2998_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_3002_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_3003_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_3025_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_3028_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_3032_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_3042_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_3052_900.jpg PRETENDERS2018_IMG_3091_900.jpg

 

 

Phil Collins

Como bom britânico que é, Phil Collins respeitou o horário programado para o início de seu show e às 21hs, as fotos que eram exibidas momentos antes deram lugar à entrada de sua enorme banda, com catorze membros, sendo quatro backing vocals, quatro nos metais ( trompete, saxofone e trombone ), e o padrão baixo, teclados, percussão, guitarras e bateria. A iluminação que já havia chamado a atenção no show anterior, agora seria outro formidável destaque. Phil Collins entrou caminhando com uma bengala e foi até o sua cadeira, de onde realizou todo o show. Infelizmente, Phil Collins sofre de problemas na coluna como muitos de nós e entendemos porque ele necessitou ficar sentado todo o tempo, porém, pensa que isso diminuiu sua animação? Pelo contrário, Phil Collins estava empolgado como um garoto saltitante de 20 anos em seu primeiro espetáculo.

A primeira música do set foi a lenta Against All Odds (Take A Look At Me Now), que foi exibida em um caráter intimista, como se o show fosse em um barzinho e não em um estádio lotado como era o caso, porém, deu a tônica mais romântica e emocionante do show. Com a voz em grande forma, Phil Collins prosseguiu com os ares mais Pop de  Another Day In Paradise, que contou com uma grande participação dos felizes milhares de fãs recepcionando-a com muitas palmas, que cantaram com ele vários trechos da música. Para a I Missed Again deu para sentir um linha que oscilava entre o Pop e o Jazz com destaque ao longo solo de saxofone feito por George Shelby. Apesar de ser lembrado por muitos como um dos maiores ícones do Rock Progressivo mundial, em sua carreira solo Phil Collins transitou por outros estilos como ficou estampado em Hang In Long Enough, onde quem chamou a atenção, além da ótima voz do vocalista foi o quarteto de Metais de sua Big Band ao mostrar bastante suingue e levar muitos a dançarem em sua exibição.

Contente com o carinho recebido pelos fãs, Phil Collins nos agradece com um sonoro "Obrigado" em português e comenta que há alguns anos atrás gravou o álbum Testify ( precisamente em 2002 ) e assim anuncia a Wake Up Call, onde sua amaciada voz foi encantadora e tivemos um competente solo do guitarrista Daryl Stuermer. Relembrando da fase mais Pop do Genesis, Phil Collins exibe com muita sensibilidade a canção Throwing It All Away do álbum Invisible Touch e depois uma das melhores do show para os apaixonados em sua antiga banda: Follow You Follow Me do já clássico "And Then There Were Three…", onde ficava uma dúvida em nossa mente, pois, não sabíamos se olhávamos para o telão, que exibiu imagens de todos os integrantes do Genesis desde os anos 70 até sua quase reunião completa em 2006, nas luzes ou na interpretação certeira de Phil Collins em que tenho que exaltar a atuação de Nicholas Collins na bateria, que evidentemente encheu de orgulho o pai. Acredito que foi um dos pontos mais altos do show e sem dúvidas, o mais nostálgico.

Depois deste formidável mergulho no Genesis, Phil Collins inicia uma canção mais animada com a Only You Know and I Know, que foi registrada no disco No Jacket Required e que no final contou com o agradável músico inglês brincando com sua voz em vários "eeeooooo" com a plateia. Antes da versão da balada romântica Separate Lives de Stephen Bishop gravada para a trilha do filme O Sol da Meia Noite, Phil Collins apresentou cada um dos músicos de sua banda, sendo que cada um foi muito aplaudido e seu filho de apenas 16 anos, o que ganhou mais aplausos do público. E Separate Lives contou com Bridgette Bryant sentando-se do lado dele e dividindo os versos desta comovente composição em que pudemos sentir o alcance vocal esplêndido da cantora. Uma das mais aguardadas pela energia que retornou da plateia foi a Something Happened On The Way To Heaven, sucesso do álbum ...But Seriously, que fez questão de cantar seus versos com Phil Collins, que somado com a habilidade dos músicos de sua banda tornou a versão exibida neste sábado simplesmente impecável.

Dotada de muito 'feeling' de Phil Collins e em uma linha mais Progressiva, In The Air Tonight do disco Face Value foi outra que caiu de forma sensacional no show e nos levou a abrir um grande sorriso e ficar pensando.... por que Phil Collins não veio antes no Brasil? Ele esteve aqui junto com o Genesis em históricas apresentações em 1977, mas para nos brindar com suas músicas solo não... E mais uma vez Nicholas Collins deixou claro que não ocupa o posto do pai por acaso, o garoto tem talento e muito. Em seguida, o cover do The Supremes com a divertida You Can't Hurry Love em que os quatro backing vocals e os quatro homens dos metais andaram pelo palco sob os olhares atentos do mestre de cerimônias da noite, o qual nós concentrávamos nossos olhares.

Título do álbum de 1986, a mais Pop Dance Into The Light exalou seu contagiante ritmo por todo o estádio nos levando a querer a dançar e a olhar para o telão que interagia com a plateia ao exibir versos da canção em letras enormes, aliás, é impossível estar presente no show com tanta riqueza musical e não querer participar deste momento único em nossas vidas. Novamente para agradar os fãs do Genesis tivemos a cativante Invisible Touch e que boas emoções esta música nos traz a mente, sim, para quem tem mais de 30... 40 anos e lembra de quando esta música ecoava nas rádios FM's... foi um sentimento grandioso conferir com seu criador no palco do Allianz Parque.

Depois, Phil Collins sacou uma música que gravou em parceria com Philip Bailey, vocalista do Earth, Wind & Fire, que também se tornou um grande hit e que todo mundo conhece... estou falando de Easy Lover, que assim como outras músicas do set levou muitas das fãs às lágrimas de felicidade enquanto que outras cantavam com plena força com ele e Arnold McCuller. Em tempo, muitos marmanjos também cantaram seus versos. Para finalizar a primeira parte do show tivemos Luis Conte chamando a atenção na percussão para que Sussudio com aquela levada eletrônica bastante acentuada continuasse com o show e emanasse seu formato cheio de festividade, onde o telão novamente interagia com a plateia, que recebeu papéis picados e serpentinas, transformando o espetáculo em uma grande festa.

Fortemente aplaudido e com seu nome gritado, Phil Collins se levanta, agradece e vai aos bastidores, mas calma, ainda haveria um bis e a formosa Take Me Home do No Jacket Required foi a escolhida para coroar este grandioso show, que entrou para a categoria de inesquecível. Inclusive, uma grande queima de fogos foi a despedida de Phil Collins dos fãs, que lotaram o estádio nesta primeira noite em São Paulo em uma hora e quarenta e cinco minutos.

Que Phil Collins possa continuar esta turnê Not Dead Yet Tour por vários anos e que possa retornar ao Brasil novamente, pois, vários outros sucessos poderiam serem inclusos no set e elevar ainda mais o estado de paz que sentimos após seu show. Entretanto, a mescla de canções Pop, Progressivas e clássicos do Genesis provou como Phil Collins fez bem ao Rock Mundial ao longo de sua história e também como foi importante seu retorno aos palcos para ele e principalmente, para cada um de nós, que tivemos um sonho de muito tempo realizado, pois, assistimos finalmente pela primeira vez em nossas vidas este grande ícone inglês.

 

Set List do Phil Collins

1 - Against All Odds (Take A Look At Me Now)

2 - Another Day In Paradise

3 - I Missed Again

4 - Hang In Long Enough

5 - Wake Up Call

6 - Throwing It All Away (Genesis song)

7 - Follow You Follow Me (Genesis song)

8 - Only You Know and I Know

9 - Separate Lives (Stephen Bishop cover) (Preceded by band presentation)

10 - Something Happened On The Way To Heaven

11 - In The Air Tonight

12 - You Can't Hurry Love (The Supremes cover)

13 - Dance Into the Light

14 - Invisible Touch (Genesis song)

15 - Easy Lover (Philip Bailey cover)

16 - Sussudio

 

Encore:

17 - Take Me Home

PHILCOLLINS2018_IMG_3108_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3130_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3184_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3256_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3284_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3300_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3368_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3388_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3390_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3392_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3395_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3401_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3417_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_3445_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_7763_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_7771_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_7774_900.jpg PHILCOLLINS2018_IMG_7783_900.jpg

 

 
Próximos Shows
Sem Eventos
Busca no site