logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


METSLATÖLL - Vaid Vaprust

Iron Maiden: set-list da turnê européia com surpresas!

Começou hoje (25/05/18) a turnê européia do Iron Maiden em Saku Suurhall, na Estônia.

Def Leppard: Phil Collen abandona turnê com Journey

Guitarrista precisou deixar a tour para cuidar de uma emergência familiar.

Co-fundador da Rock Brigade escrevendo sua autobiografia

Eduardo de Souza Bonadia Editor/redator da Strike Virtual Metal Magazine e apresentador do StrikeCan...

  • Iron Maiden: set-list da turnê européia com surpresas!

    Sábado, 26 de maio de 2018
  • Def Leppard: Phil Collen abandona turnê com Journey

    Sábado, 26 de maio de 2018
  • Co-fundador da Rock Brigade escrevendo sua autobiografia

    Sábado, 26 de maio de 2018
Erro
  • JFolder::files: Caminho não é uma pasta:

Warning: array_multisort() [function.array-multisort]: Argument #1 is expected to be an array or a sort flag in /home/storage/4/e5/3e/rockbrigade2/public_html/plugins/content/ppgallery.php on line 119

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/4/e5/3e/rockbrigade2/public_html/plugins/content/ppgallery.php on line 120

Glenn Hughes: grandes clássicos do Deep Purple no Rio de Janeiro

GLENN HUGHES

Circo Voador, Rio de Janeiro, RJ , 29/04/2018

Texto por Marcelo Vieira e fotos por Daniel Croce

 

Quando ouviu Highway Star, Glenn Hughes pensou: “ok, mas esse tipo de rock não foi feito para mim”. Só que, aos 21 anos, juntar-se ao Deep Purple foi uma oferta a qual ele não podia recusar. Hughes ficou na banda de 1973 a 1976, tendo participado de três álbuns nos quais tocou o baixo e dividiu os vocais com o também estreante David Coverdale na que muitos consideram a melhor formação do Purple. Por mais que material da chamada MKIII sempre tenha sido uma constante no repertório solo de Glenn, nunca antes o músico embarcou numa turnê tocando e cantando exclusivamente canções do Purple. Intitulado “Classic Deep Purple Live”, o giro teve início em setembro de 2017 na Austrália e desembarcou na América do Sul no último dia 12, sendo o Rio de Janeiro no domingo passado uma das últimas paradas.


Sobre o palco, tudo o que se via eram os anos 1970: da timbragem dos instrumentos à indumentária dos músicos — com exceção do batera Fer Escobedo, chileno, de 25 anos, mais alinhado com a estética “Randy Castillo em tempos de Ozzy” que qualquer outra coisa. O próprio show era conduzido como se os mil e poucos que praticamente lotavam a área coberta do Circo Voador estivessem chapados de erva vietnamita pesada, mescalina ou coca: a iluminação majoritariamente em tons de roxo, somada à fumaça espessa e incessante que mais parecia um nevoeiro de subida de serra materializava a Purple Haze da canção de Hendrix — para desespero dos fotógrafos e para o riso frouxo de uma meia dúzia de coroas com o baseadinho na boca.


No repertório, foco total em Burn e Come Taste the Band. O primeiro, por ser o clássico supremo da MKIII, comparece com cinco de suas nove músicas: Might Just Take Your Life (e seu grandioso riff de órgão), Sail Away (a resposta do Purple a Superstition de Stevie Wonder — que, certa vez, descreveu Glenn Hughes como “meu cantor branco favorito”), You Fool No One (convertida em uma jam de mais de 20 minutos de puro êxtase roqueiro — violando a regra que diz que solos de bateria superiores a dez minutos só são permitidos se você for John Bonham e estiver diante de um Madison Square Garden entupido de gente em 1973), Mistreated (talvez a mais intrinsecamente associada à Hughes, por mais que este não tenha participado de sua composição) e a faixa-título, no encerramento mais incendiário — sem envolver propriamente fogo — que você respeita.

 

De Come Taste the Band foram três: Gettin’ Tighter (cujo riff é um atestado da munheca talentosa do finado Tommy Bolin — aliás, finado uma ova, pois, segundo Glenn, “Tommy não morreu... seu corpo se foi, mas seu espírito vive dentro de mim desde então...”), You Keep on Moving e This Time Around, que, limada a ode a Gershwin da gravação original, restringiu-se ao discurso de amor (hippie) eterno e deu pano pra manga de outros blablablás good vibes: “amém o planeta”, “respeitem a natureza” e toda a sorte de positividade que só roqueiros da velha guarda metidos a ecologistas são capazes de proferir. Pobre de Stormbringer, que com o corte inexplicável/inadmissível de Holy Man, teve em sua faixa-título sua única representante.


Até os perdidões que não faziam a mínima ideia da magnitude do que estavam presenciando — ou que obtiveram seus ingressos de maneiras escusas ou através do xerecard — tiveram motivos para voltar para casa com uma boa impressão graças à inclusão de Smoke on the Water e Highway Star na reta final. Não há ser vivo que não conheça pelo menos uma delas. Até meu irmão caçula, cuja rotina se resume ao videogame, sabe do que se trata. E faz 100% de Smoke no modo Expert no Guitar Hero.

 

 

ATENÇÃO!!!
Para postar um comentário sobre esse texto, você precisa fazer seu LOGIN no site.

Próximos Shows
Sem Eventos
Busca no site