logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


BLACKMORE'S NIGHT - The Moon Is Shining

  • Delain e VUUR em Limeira: Holanda em dose dupla

    Terça, 21 de maio de 2019
  • Bonadia Fest reúne 15 bandas em SP

    Domingo, 05 de maio de 2019
  • Coletânea física e digital comemora os 50 anos do ZZ Top

    Sexta, 03 de maio de 2019
Erro
  • JFolder::files: Caminho não é uma pasta:

Tarja Turunen traz novidades e emociona fãs em show no Rio de Janeiro

TARJA

Circo Voador, Rio de Janeiro/RJ (25/08/2018)

 

Texto e foto por Gustavo Maiato

 

"Eu não devia ter feito isso, foi muita loucura. Mas, eu sou um pouco louca...". Essas foram as palavras de Tarja depois de cantar em português o surpreendente cover da brasileiríssima Lanterna dos Afogados, dos Paralamas do Sucesso. Em um show repleto de surpresas no Rio de Janeiro, essa foi apenas uma das lições de carisma e técnica que a cantora mostrou.

 

No primeiro show do Brasil da turnê chamada Act II, a finlandesa mostrou que sua carreira solo ganhou musculatura e que "zona de conforto" não é bem a sua praia. Ainda na esteira de novidades, o show no Circo Voador foi a estreia nos palcos da música Diva, cuja letra é notadamente um tapa com luva de pelica em Tuomas Holopainen, tecladista do Nightwish, sua ex-banda.

 

Outros dois momentos fizeram o coração de todos bater mais forte. O primeiro foi o medley com músicas do Nightwish incluindo raridades como Tutankhamen e The Riddler. O outro foi o set acústico no meio da apresentação (onde foi executada Lanterna dos Afogados). Nesse momento mais intimista, a banda foi toda para a frente do palco e Tarja brilhou com The Reign, Mystique Voyage, entre outras.

 

O baixista Kevin Chown, que quase não veio devido a problemas no visto, deu uma aula de carisma e técnica, ganhando o papel de segunda estrela na trupe depois que o monumental baterista Mike Terrana deixou a banda de Tarja. No geral, a banda não decepcionou, embora mais nomes famosos caíssem bem no line up.

 

No geral, Tarja mostrou que está em plena forma técnica e seu show é divertido de se ver. A cantora está super leve e até fez uma exibição de headbanging ao final do show, sozinha no palco, para delírio dos fãs. Por fim, um adendo que vai fazer muito fã espernear: um pouquinho mais de Nightwish no set não iria fazer mal. Embora, é bem verdade, sua carreira solo já consiga segurar um show inteiro.

 

Trazendo uma trupe de vocalistas e muito bom gosto, os paulistas do Soulspell desfilaram seu metal opera em sua primeira aparição no Rio. Capitaneados pelo baterista Heleno Vale, o grupo de power metal empolgou o público com músicas como The End You'll Only Know At The End. O entrosamento entre os músicos foi muito bom e é sempre bom ver bandas de power metal ganhando destaque em um cenário brasileiro repleto de death, black e thrash. Que voltem sempre!


 
Busca no site