logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


RHAPSODY - Dawn Of Victory

  • Rammstein: primeiro de inéditas em dez anos será mixado em dezembro

    Sábado, 17 de novembro de 2018
  • Solid Rock: festival agrada ao público com rock n roll em estilos diferentes

    Sexta, 16 de novembro de 2018
  • Orquestra Petrobras Sinfônica toca “Dark Side of The Moon” na íntegra

    Quarta, 14 de novembro de 2018

Matanza se despede de Pernambuco em festival com bandas locais

MATANZA ULTIMATE

Clube Atlântico de Olinda, Olinda/PE (11/10/2018)

 

Texto e fotos por Viviane Amorim

 

O Burburinho Produções comandou a celebração dos fãs do Matanza que “levantaram seus copos” pela última vez na noite/madrugada de 11 de outubro de 2018, no Clube Atlântico de Olinda, Pernambuco. A casa de shows comportou um bom número de público, formado por fãs do Matanza e das outras bandas locais que participaram do evento e completaram a apoteótica “festa de despedida”.

 

Adeus, Matanza!

 

A atração principal da noite subiu ao palco às 1:00h da madrugada, em meio a forte clamor da plateia, pronunciando o nome do vocalista Jimmy London, incansavelmente.

 

Matanza é uma banda é formada por Jimmy London (Vocal), Marco Donida (Guitarra - composição), Dony Escobar (Baixo), Jonas Cáffaro  (Bateria) e Maurício Nogueira (Guitarra  - shows). Na ativa desde 1996, a banda de gênero “countrycore”, definida por mistura de hardcore, punk, country e heavy metal, está encerrando suas atividades musicais. Mas antes disso, a tour de despedida está passando por todo o Brasil. E Pernambuco, que possuiu uma paixão pela banda, não poderia fica de fora.

 

Durante o início da apresentação, houve um tumulto na plateia. Porém, tudo foi de imediato estabilizado pelos seguranças do local.

 

Jimmy, o vocalista, possui uma dinâmica no palco que prende a atenção da plateia. Antes de cada música, ele conta causos que introduzem a história da música que será cantada logo em seguida.

 

Algumas músicas tiveram um grande destaque na apresentação. Foi o caso do clássico, Clube dos Canalhas, em que toda a plateia cantava em alto e bom som, acompanhando a banda. Foi uma das partes mais animadas do show. A música, Tempo Ruim, fez a plateia levantar seus copos e entoar a letra em conjunto com o Matanza. Já em, Ela Levou Meu Caminhão, com uma narrativa feita por Jimmy de forma bem irreverente, contando sobre uma história de traição, fez a plateia sorrir, clamar e cantar com potência.

 

Perto do fim da apresentação, Jimmy se dirige a plateia dizendo “Nós estamos todos bêbados; bêbados de cair; E todos que não estiverem bêbados... Deem o fora daqui”, em prólogo a música Estamos Todos Bêbados. A plateia foi ao delírio.

 

Por volta das três da madrugada, Matanza se despediu do palco, agradecendo ao público pernambucano, a energia e a alegria em todo o espetáculo.

 

De fato, a performance foi memorável! Os fãs do Matanza saíram com uma sensação saudosista do local do espetáculo, porém, satisfeitos. A banda se apresentou muito bem e deixou a madrugada de pré-feriadão enlouquecida.

 

Como de costume, uma multidão de fãs se aglomerou na porta do camarim, em busca de fotos com os integrantes, para guardarem sua última lembrança. E desse modo dizer seu adeus à banda e em bom estilo.

 

 

Ugly boys: os bad boys do punk.

 

Com meia hora de atraso previsto para início do evento, às 21:30h, a primeira banda a subir no palco foi a recifense Ugly Boys. O grupo é composto pelos músicos Geydson (Voz e Guitarra), Daniel (Guitarra e vocal), Soneca (Baixo e vocal) e Diego DW (Bateria).

 

Possui o gênero punk rock, ska, hard core. Porém, o punk “raíz” esteve bem presente na apresentação, remetendo muito ao som dos clássicos do estilo, como Ramones e Sex Pistols. Tocaram músicas autorais e alguns covers. Mas o destaque ficou para uma versão punk da música Everythings Gonna Be Alright, do Bob Marley. A banda aqueceu o público, e tornou o início da noite bem animado.

 

A “abdução” do Monticelli

 

Às 22:15h, uma das bandas com forte presença de palco entrou em cena: o Monticelli. A banda é formada pelos irmãos gaúchos, Artur Monticelli (Vocal e Guitarra), Vítor Monticelli (Baixo) e Bruno Monticelli (Bateria). O trio abraçou Pernambuco como lar e são chamados de aliens, carinhosamente por seu público. A banda possui o gênero hard rock/ heavy metal.

 

O grupo iniciou o show com a música Plan B, de seu trabalho autoral, levando a plateia ao delírio. O vocalista Artur Monticelli, sempre detonando em sua guitarra e encantando com sua afinada voz, deixou o público em estado de êxtase. Arriscamos até em dizer que realmente houve uma “abdução” naquele lugar...

 

A animação do baixista Vítor Monticelli era um espetáculo à parte, tocando de forma excelente e interagindo com o público. O Baterista, Bruno Monticelli deixou sua técnica falar por ele, conhecido pelo público como “o baterista mais forte do mundo” fez jus a esse apelido, mostrando sua monstruosidade destruindo com magnitude e entregando um som estrondoso e de muita boa qualidade.

 

Em muitos momentos do show, a banda trazia uma memória afetiva, pois o seu estilo de tocar/cantar remete a muitas bandas do passado. Ouvir Behind These Walls é como fazer uma viagem no tempo, relembrando até mesmo o Black Sabbath, e Future Blues, com seu baixo bem marcado, remetendo ao famoso gênero grunge.

 

Em meio ao clamor de “bis” da plateia, a banda entoa um cover do Twisted Sister - We're Not Gonna Take It, para finalizar a sua apresentação.

 

O metal sombrio de Elizabethan Walpurga

 

A terceira banda a subir no palco foi a Elizabethan Walpurga. Formada por Leonardo "Mal´lak" Alcântara (Vocal), Breno Lira (Guitarra), Erick Lira (Guitarra), Renato Matos (Baixo e Backing Vocals) e Arthur Felipe Lira (Bateria). A banda recifense subiu no palco aproximadamente às 23:30h. Possui vocal gutural, melodias longas e bem trabalhadas.

 

Mesmo sendo uma banda de metal extremo, a sinfonia de suas músicas era equilibrada e bem interessante de se apreciar. Isso porque, remetiam à trilha sonora de filmes antigos de terror, prendendo assim, a nossa atenção. Seus instrumentais eram complexos e detalhados.

 

A plateia aclamou bis. Toda a atmosfera apresentada agradou muito ao público da noite. E para findar o show, tocaram um cover do Iron Maiden. Consideravelmente bem diferente do som executado em toda apresentação, porém igual conclamado.

 

A junção dos elementos musicais pernambucanos e o metal melódico do Terra Prima

 

A quarta banda a subir no palco foi a Terra Prima. Formada por Daniel Pinho (Vocal), Diego Veras (Guitarra), Gabriel Carvalho (Baixo), Otávio Mazer (Guitarra) e Tiago Guima (Bateria).

 

A banda tem uma longa carreira no Brasil e já fez tour na Europa.  Seu estilo musical é bem diferenciando, pois misturam elementos melódicos da cultura pernambucana com o metal. Realmente, é uma junção musical bonita de se escutar. Daniel Pinho tem uma afinação e uma presença de palco maravilhosa. A banda em si é extremamente profissional e faz um trabalho de muita qualidade.

 

Durante a apresentação, o vocalista usa em seu pedestal as bandeiras de Pernambuco e do Brasil, mostrando o seu orgulho tanto em relação ao estado, como ao país.  Infelizmente por conta de atrasos, e a demora para passagem de som, a apresentação do Terra Prima, foi encurtada. E a banda ficou pouquíssimo tempo no palco. Porém, neste tempo, a plateia demonstrou muito interesse em relação ao trabalho da banda.

 

Matanza_PE_2018 (1).jpg Matanza_PE_2018 (32).jpg Matanza_PE_2018 (33).jpg Matanza_PE_2018 (34).jpg Matanza_PE_2018 (35).jpg Matanza_PE_2018 (36).jpg Matanza_PE_2018 (37).jpg Matanza_PE_2018 (38).jpg Matanza_PE_2018 (39).jpg Matanza_PE_2018 (40).jpg Matanza_PE_2018 (41).jpg Matanza_PE_2018 (42).jpg Matanza_PE_2018 (43).jpg Matanza_PE_2018 (44).jpg Matanza_PE_2018 (45).jpg Matanza_PE_2018 (46).jpg Matanza_PE_2018 (47).jpg Matanza_PE_2018 (48).jpg Matanza_PE_2018 (49).jpg Matanza_PE_2018 (50).jpg Matanza_PE_2018 (51).jpg Matanza_PE_2018 (52).jpg Matanza_PE_2018 (53).jpg Matanza_PE_2018 (54).jpg Matanza_PE_2018 (55).jpg Matanza_PE_2018 (56).jpg Matanza_PE_2018 (57).jpg Matanza_PE_2018 (58).jpg Matanza_PE_2018 (59).jpg Matanza_PE_2018 (60).jpg Matanza_PE_2018 (61).jpg

 
Próximos Shows
Sem Eventos
Busca no site