logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


SONATA ARCTICA - A Little Less Understanding

  • Delain e VUUR em Limeira: Holanda em dose dupla

    Terça, 21 de maio de 2019
  • Bonadia Fest reúne 15 bandas em SP

    Domingo, 05 de maio de 2019
  • Coletânea física e digital comemora os 50 anos do ZZ Top

    Sexta, 03 de maio de 2019
Erro
  • JFolder::files: Caminho não é uma pasta:

Solid Rock: Judas Priest volta para a capital mineira em grande estilo

SOLID ROCK

Expominas, Belo Horizonte/MG (14/11/2018)

 

Texto e fotos por Aryel Penido

 

No dia 14 de novembro, o Solid Rock, festival que estava sacudindo o país desde a semana anterior, finalmente chegou em Belo Horizonte. A única cidade que não contou com Alice in Chains pode conhecer a Black Star Riders e matar a saudade dos veteranos Judas Priest.

 

O primeiro show começou às oito horas em ponto, a banda Black Star Riders, que estava em turnê pela América do Sul pela primeira vez, entrou no palco com Bloodshot, música de seu primeiro álbum. O trânsito belorizontino estava uma bagunça naquela noite, então, quando o primeiro cover de Thin Lizzy (Jailbreaker) foi tocado a casa ainda não estava completamente cheia. The Boys Are Back In Town também apareceu no setlist.

 

A banda que se intitula como “o próximo passo na evolução da história do Thin Lizzy” soube conduzir muito bem o público que ia chegando desconfiado, passou por todos os seus álbuns lançados nos 5 anos de existência e encerrou um show divertido e cativante com Bound For Glory, o single mais conhecido deles.

 

Pausa para montar o palco, buscar uma cerveja, descansar as pernas  e cerca de vinte minutos depois do fim do show dos americanos, a cortina com o símbolo da banda sobe ao som de War Pigs. Judas Priest entrou no palco com Firepower música que dá nome ao último álbum e à turnê atual. Deste álbum ainda apareceram Lightning Strike, que teve seu refrão entoado pela casa, No Surrender e Rising From Ruins, na qual Rob traz o “sabre de luz do Kylo Ren” para o palco.

 

Rob Halford trocou de roupa várias vezes, interagiu com público o tempo inteiro e fez a clássica entrada de Harley no palco ao som de Hell Bent For Leather, tudo isso enquanto atingia as notas mais incríveis que já tive o prazer de ver pessoalmente, Painkiller por exemplo foi um show a parte. Com a voz perfeita e esbanjando vitalidade o vocalista de quase 70 anos mostrou porque é um dos maiores nomes da história do heavy metal.

 

Com quase meio século de existência, o Judas fez, 7 anos depois da turnê Epitaph que foi apresentada como a última, um dos shows mais memoráveis que a capital mineira já recebeu. O fã que já estava em radiante ficou em êxtase quando para terminar o show a banda tocou os clássicos Electric Eye, Breaking the law e Living after Midnight em sequência.

 

Após Rob pedir aos presentes que mantivessem o heavy metal vivo a banda deixou o palco aos gritos de “Priest, Priest, Priest” e estampada nos telões a frase “The priest will be back”, mostrou que pendurar as chuteiras está fora de cogitação para essa galera. Que voltem o mais rápido possível.

 

 
Busca no site