logotipo
35 anos de rock'n'roll

Música do Dia


OZZY OSBOURNE - Let Me Hear You Scresm

Clutch traz seu stoner novamente ao Brasil em show único de abril

Clutch retorna ao Brasil para uma apresentação única, em São Paulo, no dia 26 de abril.

Lacuna Coil manda mensagem aos brasileiros antes da minitour no país

Banda volta ao Brasil em fevereiro para uma miniturnê de cinco shows no país.

Guns N’Roses Experience agita os fãs em shopping paulistano

Confira como foi a tarde do Guns N’Roses Experience no shopping Anália Franco, em SP.

  • Clutch traz seu stoner novamente ao Brasil em show único de abril

    Sexta, 17 de janeiro de 2020
  • Lacuna Coil manda mensagem aos brasileiros antes da minitour no país

    Quinta, 16 de janeiro de 2020
  • Guns N’Roses Experience agita os fãs em shopping paulistano

    Quinta, 16 de janeiro de 2020
Erro
  • JFolder::files: Caminho não é uma pasta:

Bush e Stone Temple Pilots tocam seus clássicos no Rio de Janeiro

BUSH E STONE TEMPLE PILOTS

KM de Vantagens Hall, Rio de Janeiro, RJ (15/02/2019)

 

Texto por Marcelo Vieira e fotos por Daniel Croce

 

Quando veio ao Brasil pela primeira - e, até semana passada, única - vez, o Bush estava entre os queridinhos da América: 14 milhões de cópias vendidas de Sixteen Stone (1994) e Razorblade Suitcase (1996) somente nos Estados Unidos, prêmio de escolha da audiência da MTV norte-americana e o início de um affair entre o vocalista Gavin Rossdale e Gwen Stefani, do No Doubt, que resultaria num casamento de 13 anos e, posteriormente, num divórcio comparável à morte, nas palavras de Gavin, cuja cagada de dar uns amassos na babá colocou um ponto final no relacionamento.

 

Vinte e dois anos se passaram e, no decorrer deles, o Bush lançou outros cinco álbuns de estúdio, um ao vivo e duas coletâneas caça-níquel que não foram o suficiente para mantê-los em alta - o último trabalho a figurar nas paradas foi The Science of Things (1999), que vendeu consideravelmente menos que seus dois antecessores e decretou um hiato que duraria uma década dois anos mais tarde. Talvez por isso o Bush meio que despreze o que produziu de lá para cá, priorizando em seu repertório aquelas que na efervescência das rádios alternativas dos EUA conseguiam figurar entre os Gin Blossoms e Sheryl Crows da vida.

 

Às 23h05 (!), Machinehead abriu os trabalhos. Mote à liberdade inspirado em Allen Ginsberg, a canção foi entoada de maneira triunfante, como um incentivo ao rompimento das amarras do dia a dia. Outro momento de inspiração beat viria pouco depois, com Everything Zen e sua vasta cota de referências externas, que vão de David Bowie a Jane's Addiction. A frase "There's no sex in your violence" foi entoada como um mantra. Era tanta gente cantando junto e alto que às vezes a voz, já baixa em relação aos instrumentos, simplesmente desaparecia. "A melhor sensação do mundo como compositor é recuar do microfone e ouvir as pessoas cantarem", diz Gavin. E tá errado?

 

Greedy Fly, acréscimo surpresa no show realizado em São Paulo na véspera (leia aqui como foi), ganhou repeteco em solo carioca: "Do you feel the way you hate / Do you hate the way you feel", por mais que soe como mero jogo de palavras, é o tipo de coisa que põe a galera pra pensar e destaca Gavin entre os monotemáticos letristas do rock dos anos 1990. A essa hora, o líder do Bush já suava em bicas e já havia protagonizado um puta tombo. Ainda não tivemos informações sobre o estado de saúde de sua Fender Stratocaster preta.

 

Se você pensa que cachaça é água, o problema é seu. E encher os cornos durante o show não parece ser um problema para Gavin, que vira e mexe recorria a um sempre abastecido copo, estrategicamente posicionado no tablado da bateria. De brinde em brinde, os olhos do vocalista iam ficando apertados, mas sua performance parecia não se abalar: ele continuaria correndo para lá e para cá, ondulando-se como uma lombriga musculosa no auge dos seus 53 anos e gesticulando como se tentasse uma vaga numa adaptação de Shakespeare. Isso sem contar as vezes em que fez o Seu Boneco e foi para a galera, mobilizando a segurança local e viabilizando truculência tanto por parte dos agentes quanto por parte de algumas fãs mais ensandecidas.

 

A noite ainda reservaria Swallowed - resposta tardia do Bush a Help! dos Beatles; canção-desabafo sobre o lado ruim da fama repentina - e um bis que teria início, veja só, com um cover de Come Together dos vocês-sabem-quem. A dobradinha de encerramento começaria envolta em lágrimas com Glycerine, a fossa obrigatória, e terminaria com fumbles localizados em busca das poucas palhetas atiradas para o público após Comedown. Prostrado junto à grade, Gavin só sairia dali após alguém informá-lo de que o show havia acabado. Por mim e por vários, poderia durar horas e horas. Agora, só em 2041.

 

A abertura ficou a cargo da mais recente encarnação do Stone Temple Pilots, na qual os irmãos Dean (guitarra) e Robert DeLeo (baixo) e o batera Eric Kretz finalmente encontraram, na figura de Jeff Gutt, um vocalista que diz amém para todo e qualquer absurdo ao qual possa ser submetido; coisa que Scott Weiland (1967-2015), mesmo em seus baixos mais baixos, jamais faria. No repertório, as canções que refletiam a conturbada vida de Scott - seus relacionamentos fracassados, seu crescente vício em heroína e todas as paranoias resultantes do abuso das drogas - sendo interpretadas por um cover, cuja falta de identidade espanta tanto quanto a perfeição no gestual, no visual e o grave rasgado. Numa cinebiografia, Gutt talvez fosse o Scott ideal. Sobre o palco, a clandestinidade beira o constrangimento.

 

A noite começou com o brasileiro Republica mostrando que o melhor aliado do médio talento é um bom QI. Nobody yes door.

 

 
Busca no site