logotipo
35 anos de rock'n'roll

Música do Dia


OZZY OSBOURNE - Let Me Hear You Scresm

Novo do Dimmu Borgir não vai “demorar” para sair, diz guitarrista

Ao contrário do último álbum, que demorou 8 anos para sair, o próximo chegará bem rápido.

Pacotão de lançamentos da Shinigami Records agita início do ano

Kreator, Phil Campbell (Motörhead), Marillion, Nazareth, Quiet Riot, Blue Öyster Cult, Pretty Maids....

Zakk manifesta apoio a Ozzy na batalha contra Mal de Parkinson

Guitarrista manifestou seu apoio a Ozzy, que trava uma batalha contra o Mal de Parkinson.

  • Novo do Dimmu Borgir não vai “demorar” para sair, diz guitarrista

    Segunda, 27 de janeiro de 2020
  • Pacotão de lançamentos da Shinigami Records agita início do ano

    Sábado, 25 de janeiro de 2020
  • Zakk manifesta apoio a Ozzy na batalha contra Mal de Parkinson

    Sexta, 24 de janeiro de 2020

Rock in Rio completa 35 anos: você lembra o que rolou em 1985?

O ano era 1985. O país passava por grandes transformações. Os brasileiros respiravam um sentimento de euforia e liberdade. Neste mesmo ano nascia o Rock in Rio, que já em sua primeira edição foi considerado o maior evento de música do mundo ao reunir 1,3 milhão de pessoas na Cidade do Rock, no Rio de Janeiro.

Era a primeira vez que um país na América do Sul sediava um evento musical nessa proporção. Para o público presente, aquela foi a melhor edição já vista do festival. Um terreno pantanoso que gerou histórias por quem passou por ali, já que a lama está guardada na memória afetiva de cada um. Quem foi, sabe.

O primeiro Rock in Rio marcou a vida das pessoas e da cidade. No sábado, 11 de janeiro, o evento celebra 35 anos. O festival ganhou o mundo e tornou-se um verdadeiro parque de entretenimento e experiências, mas muito além disso, o Rock in Rio cresceu e ampliou a sua atuação, sempre com o olhar no futuro e no compartilhamento do seu conhecimento e maturidade de 35 anos para inspirar pessoas em suas vidas profissionais e pessoais.

Para Roberto Medina, presidente do Rock in Rio, um sonhador e apaixonado pelo Rio de Janeiro, como ele mesmo se denomina, "naquela época tudo era novo e agregava uma dimensão inimaginável. A estrutura de som e luz contou com um sistema extremamente moderno para a época. Um dos marcos do Rock in Rio no showbiz mundial, aliás, foi ali, em 1985, quando uma plateia foi iluminada pela primeira vez, no mundo, na história dos shows. O Rock in Rio inova, está sempre à frente. Construímos uma marca forte e falamos em inovação porque estamos a todo instante buscando inovar e trazer novidades que aliam presente, futuro e uma tecnologia de ponta para os nossos visitantes. Falamos do futuro a partir de agora e é isso que permeia a estratégia da LExU. Com ela, vamos muito além de talento em si. Mostramos que com conhecimento e determinação é possível, sim, dar certo", acredita.

E o futuro é agora. Para além do Academy, que acontece a cada dois anos em parceria com a HSM e o Rock in Rio Innovation Week, que é um programa de desenvolvimento pessoal desenvolvido para colocar a pessoa como ponto de partida para a inovação, com a terceira edição marcada para junho deste ano em Lisboa, o público já pode absorver a cultura organizacional do festival com o livro Rock in Rio: A Arte de Sonhar e Fazer Acontecer, dos autores Arthur Igreja e Allan Costa. O primeiro livro de gestão do Rock in Rio traz provocações valiosas para que o leitor possa aplicar a cultura empresarial da marca no seu próprio negócio, dando o entendimento da visão que impulsiona o negócio por trás do maior festival de música e entretenimento do mundo.

E a grande novidade para 2020 é o lançamento do curso sobre gestão de eventos e negócios no qual o aluno vai aprender sobre gestão de eventos e negócios com os responsáveis do maior festival de música e entretenimento do mundo. A aula inaugural contará com Roberto Medina contando o propósito que o moveu a criar o festival e reinventar a própria história a cada novo projeto.

 
Busca no site