logotipo
35 anos de rock'n'roll

Música do Dia


OZZY OSBOURNE - Let Me Hear You Scresm

Tristeza dupla: morrem bateristas dos grupos C.O.C. e To/Die/For

Reed Mullin e Santtu Lonka morreram nesta semana: causas não foram reveladas.

Black Swan: superprojeto de hard rock reúne músicos consagrados

Novo supergrupo reúne músicos de Whitesnake, Dokken, Foreigner, Mr. Big, Ace Frehley e MSG.

Absu anuncia seu fim após briga com guitarrista que virou trans

Banda texana de black metal usa redes sociais para anunciar oficialmente seu fim.

  • Tristeza dupla: morrem bateristas dos grupos C.O.C. e To/Die/For

    Terça, 28 de janeiro de 2020
  • Black Swan: superprojeto de hard rock reúne músicos consagrados

    Terça, 28 de janeiro de 2020
  • Absu anuncia seu fim após briga com guitarrista que virou trans

    Terça, 28 de janeiro de 2020

Enthring: confira entrevista com o frontman Tommi Kangaskortet

 

Os finlandeses do Enthring estão prestes a lançar seu novo EP, intitulado The Art Of Chaos. Com o lançamento previsto até o fim do ano, o novo trabalho da banda promete “chutar bundas do começo ao fim”, segundo o frontman da banda Tommi Kangaskortet.

 

O fã-clube brasileiro oficial do grupo, Enthring Brazil, realizou uma entrevista com o músico, a fim de saber mais sobre o novo EP e também outras curiosidades sobre a banda. Confira abaixo.

 

Aproveite para curtir a página oficial do Enthring no Facebook e junte-se ao Enthring Brazil!

 

Enthring Brazil: O que significa “Enthring”? Como foi a escolha do nome da banda?

Tommi Kangaskortet: Resumindo: nada. Foi a muito tempo atrás, mais ou menos 7 anos, quando nós encaramos pela primeira vez a situação aonde deveríamos escolher um nome. Enthring, na verdade, foi uma das primeiras sugestões que nós dispensamos na época. Pensamos em nomes alternativos, mas com o tempo não fomos capazes de encontrar um nome com um significado que fosse satisfatórioa longo prazo. Isso nos fez voltar ao começo e foi aí que escolhemos o nome.

 

EB: Quantos anos você tinha quanto começou a tocar guitarra e cantar?

TK: Eu e Petteri (Eväsoja – guitarra e vocal) começamos a tocar quase que na mesma época, em 2005. Cantar veio só depois, Petteri começou por volta de 2009 e eu em 2010. Nenhum de nós deveria ser o vocalista, mas depois de todo o tempo que passamos procurando pelo cara certo nós decidimos que o melhor seria fazer nós mesmos.

 

EB: Como vocês decidem os temas para as letras? Normalmente, quais são as suas inspirações para compor?

TK: Não é exatamente o que decidimos, mas o que vem naturalmente. Nossas músicas contam estórias de um mundo entre a realidade e a fantasia, dependendo da perspectiva do ouvinte. Eu não gosto de forçar o significado das letras para as pessoas. A meu ver, uma das melhores coisas sobre esse tipo de arte é o fato de que as pessoas podem entender as letras de tantas maneiras diferentes se você lhes der essa chance. O que eu sinto enquanto escrevo as letras é somente a minha interpretação. Minhas fontes de inspiração, além das coisas do dia-a-dia, são livros, games e filmes.

 

EB: Como foi o processo de composição do novo EP The Art Of Chaos?

TK: Foi longo. Na verdade, foi mais difícil do que compor The Grim Tales Of The Elder (full-length, 2011). Talvez tenhamos crescido e desenvolvido mais autocrítica porque nós pensamos muito mais durante o processo de criação das novas músicas do que no material antigo. Esse novo EP irá “chutar suas bundas” do começo ao fim.

 

EB: Como foi o convite para tocar no Brasil? Como foi a experiência de tocar por aqui? Há planos para voltarem?

TK: A oportunidade veio, na verdade, por uma coincidência de sorte. Não mais o que falar além do fato de que encontramos a pessoa certa e conseguimos chegar a um acordo. A experiência foi difícil, mas ao mesmo tempo muito boa. Foi ótimo tocar aí tão longe de casa. Os fãs brasileiros são fantásticos, simplesmente fantásticos. Nós iremos voltar se tivermos a chance, mas antes precisamos formar uma boa e sólida base de fãs por aí. Infelizmente não depende somente da nossa vontade de ir ou não, mas de encontrar os parceiros certos para fazer acontecer.

 

EB: Depois que o lineup da banda passar por algumas alterações (baterista e baixista), você pensa em trazer um novo tecladista para a banda?

TK: Desde o nosso último tecladista nós estamos procurando por alguém para a função, mas tem sido em vão. Um tecladista com habilidade suficiente será bem-vindo, mas mesmo assim nós provavelmente nunca vamos nos livrar dos backing tracks.

 

EB: Você pode resumir tudo o que a banda passou desde a sua formação até esse novo EP em uma única palavra?

TK: Caos.

 

EB: Vocês pretendem fazer uma turnê de divulgação do novo EP?

TK: No momento nenhuma turnê está planejada. Se alguma oportunidade aparecer nos poderemos considerar. Nós estamos sempre abertos para esse tipo de possibilidade.

 

EB: Existe alguma previsão para o lançamento de um novo álbum full length?

TK: Não. Mesmo alguma previsão só vai ser possível depois do lançamento do novo EP e da turnê de 2014. Se nenhuma mudança drástica acontecer nós vamos começar a conversar sobre datas novamente entre a próxima primavera/verão (na Europa).

 

Fonte: Enthring Brazil

 
Busca no site